Aerocurso.com

Obras vão reduzir em 20% voos em Guarulhos

09/10/2010

Os passageiros podem se preparar para uma menor oferta de voos no terminal internacional de Guarulhos, em São Paulo, a partir de março de 2011, quando começam as obras no sistema de pistas, que preveem o recapeamento das duas vias e a construção de saídas rápidas entre elas para facilitar o fluxo de aeronaves. As reformas, que só terminarão em meados de 2012, vão mexer com o dia-a-dia do maior aeroporto do país e principal ponto de partida das rotas internacionais - o que tem preocupado companhias e mobilizado as autoridades responsáveis. Enquanto durarem as intervenções, as empresas aéreas nacionais e estrangeiras terão que remanejar voos e ainda decolar com menor peso (passageiros ou cargas). Terminal terá menos 177 mil passageiros por mês Atualmente, há 44 movimentos por hora (pouso e decolagem) em Guarulhos e a expectativa é que as operações se reduzam para 35, no máximo - um corte de 20%. Este limite representa menos 177 mil passageiros por mês, de acordo com o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea). As obras estão previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e fazem parte do pacote de reformas para ampliar a capacidade do aeroporto para os Jogos da Copa em 2014. Outros projetos são a instalação de dois terminais provisórios, enquanto não fica pronto o terceiro terminal de passageiros. O valor total do investimento previsto é de R$ 1,219 bilhão até 2013. A capacidade exata do aeroporto durante as obras está sendo analisada pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) e deverá ser apresentada às empresas até a próxima semana. Há certa urgência, segundo o Sindicato, pois o país está no limite do prazo previsto em acordo internacional para comunicar as mudanças às empresas a tempo de elas preparem a nova malha de verão. Inicialmente, a Infraero pretendia interditar totalmente uma das pistas para fazer o recapeamento e as saídas rápidas de uma única vez. A proposta desagradou as empresas, principalmente as estrangeiras, sob o argumento de que a medida reduziria o movimento no aeroporto pela metade (menos 1,277 milhão de passageiros por mês). Há ainda como agravante a falta de locais próximos disponíveis para deslocar aviões e passageiros, pois Congonhas e Viracopos (Campinas) já estão saturados. Diante da reação do setor, a estatal apresentou um novo planejamento que prevê a execução das obras em etapas (iniciar pelas cabeceiras de cada pista e o meio, sendo que o restante ficaria liberado). Com a decisão, no entanto, o período das intervenções será prolongado em mais seis meses: em vez de terminar em dezembro de 2011, as reformas vão adentrar em 2012. Este plano foi discutido nesta sexta-feira entre Infraero e Decea e permitirá no máximo 35 movimentos por hora, segundo interlocutores. Entretanto, técnicos envolvidos nas discussões acreditam que o número deverá ficar abaixo disso, pois num segundo momento será necessário interditar totalmente uma das pistas para fazer as saídas rápidas. O setor privado defendia que, neste caso, as obras fossem realizadas somente à noite e os trechos (buracos) ficassem isolados e sinalizados, sem prejudicar o movimento de aviões. Mas a sugestão foi descartada pelos técnicos do governo por questões de segurança. Segundo cálculos do Snea, caso o movimento seja reduzido para 28 por hora, o impacto no aeroporto será de menos 766 mil passageiros por mês.

Fonte: Fontes: Geralda Doca (O Globo) - Imagem: anasepaulo.blogspot.com

Compartilhe










Copyright 2017 - All rights reserved.